Comando Energético

Organização aconense do tipo executivo. Era o nome do serviço secreto aconense.

Dados Gerais


A tarefa do Comando Energético desde as guerras coloniais era o monitoramento e instalação das estações transmissoras nos mundos coloniais aconenses. Após a “redescoberta” do sistema Ácon no ano 2102, quando os terranos invadiram o Sistema Azul com a Fantasy, o Comando Energético assumiu o papel de um serviço secreto para garantir que qualquer poder que poderia ser perigoso para o império aconense seria eliminado a tempo. Estava subordinado diretamente ao Conselho Regente de Ácon e assemelhava-se aproximadamente à Segurança Solar. Os membros do Comando Energético recrutavam cientistas e especialistas dos aconeses altamente talentosos e que eram completamente inescrupulosos para atingir seus objetivos. Era sempre usada a tecnologia mais atualizada, incluindo também a tecnologia de viagem no tempo preservada pelos antepassados lemurenses. No entanto, a utilização estava limitada apenas à operação, o conhecimento em torno dos dados de construção foi perdido ao longo dos milênios. Com a Condos Vasac, os aconenses criaram um ramo perigoso do Comando Energético, no qual, além de aconenses, também faziam serviço membros de outros povos, contrários aos terranos mais ou menos hostis.

O Cruzador do Comando Energético

No início do século XXII, por volta do ano 2102, a astronáutica dos aconenses estava limitada a uma pequena frota de 52 espaçonaves pertencentes ao chamado “Comando Energético”, reservada para cuidar de casos muito especiais. A bordo dessas naves de cem metros de diâmetro geralmente havia uma equipe de instalação para os transmissores de arco-portal, que incluía cerca de 20 pessoas, dependendo da tarefa. Essas naves eram unidades de apenas 100 metros de diâmetro, que tinham principalmente a tarefa de construir novos transmissores de arco-portal em mundos subdesenvolvidos do Império Aconense, ou para reparar equipamentos danificados. Além disso, o Comando Energético também era o braço de ação do Conselho Regente e podia ser descrito como um “serviço de sabotagem” dos aconenses após as ações contra a Terra e Árcon do ano 2102 no sentido mais amplo. Normalmente, as unidades do Comando Energético estão quase sempre em missão, caso contrário, elas estão em hangares subterrâneos no mundo principal Drorah prontas para partir. Mas por menores e insignificantes que essas naves pudessem parecer em relação às naves gigantes dos arcônidas e dos terranos, elas encerravam um gigantesco volume de energia. Não é por acaso que a última perda de uma tal nave remontava há mais de 8 mil anos do calendário aconense que o Comando não perdera uma única nave. Por essa razão, as tripulações não viam suas missões como particularmente perigosas; para elas, todo voo espacial era uma excursão pela Via Láctea com meios primitivos, combinados com eventos aventureiros, mas completamente inofensivos. Por outro lado, eles assumem um certo orgulho em si mesmos e suas atividades, porque eles voam para garantir a segurança e a continuidade do Sistema Azul. Com o início das ações contra a Terra e Árcon, no entanto, vê-se adversários fortes, e também vieram novamente as perdas.

Membros do Comando Energético Conhecidos


  • Demos, Harcon de Draimalo, Hat-Mooh, Hut-Up, Jala de Katranat, Jergo, Mular, Orlin Raskani (agente plofosense), Pearl Simudden, Sansaro, Tathos de Abessos, Vatrim de Akailos, Zar-Ban.

História


Após a descoberta do sistema Ácon pelos terranos no ano 2102, o Comando Energético realizou várias ações para banir o perigo. Entre outras, foram feitas tentativas de despovoar a Terra com a doença de plasma mortal Mal-Se. Depois do fracasso dessa tentativa, o Comando Energético, por meio de um conversor de tempo chamado epotron, atacou no passado para extinguir a Terra com uma frota de batalha arcônida. Também essa tentativa foi frustrada pelos mutantes terranos. Com o sequestro de Perry Rhodan e Atlan de Árcon III, o Comando Energético provocou um ataque combinado das frotas arcônidas e terranas no sistema Ácon. O campo defensivo azul foi destruído, todas as espaçonaves do Comando foram destruídas e um tratado de paz foi ditado. Com a destruição de sua base de poder, o Comando também perdeu, por enquanto, a influência galáctica. No ano 2105, o Comando fez uma aliança com a poderosa família arcônida dos Minterol, que levou à sabotagem do Robô Regente, o qual depôs Atlan como Imperador, e a entronização de Minterol I. Somente o circuito da loucura do Robô Regente frustrou os planos e Atlan retornou como imperador.


 

Créditos: 

Fontes


  • PR100, PR103, PR105, PR107, PR122, PR123, PR124, PR125, PR227, PR230, PR371, PR495, PR502, PR609, PR937.
  • Seção Glossário da edição digital da SSPG: volumes especificados no campo Glossários Veiculados.
  • Internet: Informações extraídas em parte do site Perrypedia (www.perrypedia.proc.org). This article uses material from the Perrypedia article “Energiekommando”, which is released under the GNU Free Documentation License 1.2. Informações extraídas em parte do site Crest-Datei (www.crest-datei.de)
Seção do Site: 
Glossarios Veiculados: