Corveta

Categoria de espaçonaves terranas. As corvetas são espaçonaves esféricas. Mesmo que corveta espacial. Elas são usadas principalmente como naves auxiliares de espaçonaves maiores.

Dados Gerais


Trata-se de uma versão aperfeiçoada das grandes naves auxiliares do tipo girino. Também têm 60 m de diâmetro, e sua tripulação é de 20 homens. Elas são geralmente usadas como naves auxiliares de espaçonaves maiores. O comando de uma corveta é exercido tradicionalmente pelo capitão de corveta. Na antiga Frota Solar, esse é um oficial no posto de primeiro-tenente. Ocasionalmente, um oficial de patente mais elevada também conduz o comando. Cada 10 corvetas são reunidas como uma flotilha para operações táticas. Inicialmente, estavam equipadas com conversores kalup compactos, que davam um alcance de 200.000 anos-luz; campos defensivos hiperdimensionais e canhões conversores.

Dados Técnicos (a partir do ano 2404)
Dados Valores
Tipo: Nave esférica
Tamanho: 60 m de diâmetro
Estrutura: Protuberância anelar média, 12 colunas de pouso telescópicas
Propulsão subluz: Propulsor de impulsos e antigravitacional
Aceleração máxima: 800 km/s²
Propulsão ultraluz: Propulsão linear (até por volta do ano 3000, conversor Kalup, em seguida, conversor Waringer com alcance de 800.000 anos-luz)
Armamento ofensivo: 1 canhão conversor e canhão de impulsos
Armamento defensivo: Campo defensivo SAE
Naves auxiliares: Space-jet, 4 barcos de resgate
Tripulação: 20 pessoas

Classe de Corveta Conhecida


  • Classe Good Hope.

Corvetas Conhecidas


  • Axel, Baldwin Tingmer, C-B-112 (Megalis), C-B-47 (Tumy), C-B-131 (Errante), CI-33, Cinderella (CS-1-16), CM-5, Compart, CS-1-11, C-XVI, FD-4, FD-6, FD-8, GD-C-7, Good Hope (Dino III), Marder II, Satran de Karsis, Trader.

História


Com o desenvolvimento dos ultracouraçados da classe Galáxia, começando com a Crest III, o antigo girino foi construído em novas bases e, desde o ano 2404, guiado como corveta. As inovações mais importantes foram o campo SAE, o canhão conversor pesado (500 GT) na cúpula polar superior, a tripulação permanente de 20 homens (em caso normal) e a integração como naves de operações de apoio das portadoras no conceito de ação dos supercouraçados da classe Império e dos ultracouraçados da classe Galáxia. A partir do ano 2404, passaram a ser fabricadas em série nos estaleiros lunares, que tinham sido adaptados três anos antes num programa imenso. No ano 3437, com os novos conversores Waringer, as naves dessa classe passaram a ter uma autonomia de cerca de 800.000 anos-luz e capacidade de aceleração de 800 km/s². Era usada como nave auxiliar de grandes couraçados, pelo menos majoritariamente. Na Frota da LTL, alguns contingentes de corvetas que não estão diretamente associadas a unidades maiores como naves auxiliares foram novamente chamadas de cruzadores ultraleves.

Trivialidade


  • Nota: Termo do francês: corvette. Antigo navio de guerra. Modernamente, navio rápido de caçar submarinos.

Créditos: 

Fontes


  • PR250, PR275, PR537, PR538, PR710, PR799, PR886, PR929, PR955, PR963.
  • Seção Glossário da edição digital da SSPG: volumes especificados no campo Glossários Veiculados.
  • Internet: Informações extraídas em parte do site Perrypedia (www.perrypedia.proc.org). This article uses material from the Perrypedia article “Korvette”, which is released under the GNU Free Documentation License 1.2. Informações extraídas em parte do site Perry Rhodan und Atlan Materiequelle (www.pr-materiequelle.de).
Seção do Site: