Horror

Único planeta do sistema estelar Triplo, situado no espaço vazio intergaláctico entre a Via Láctea e Andrômeda.

Dados Gerais


Ao mesmo conjunto estranho pertencem três sóis amarelos do tipo G1; os três sóis receberam dos terranos as letras A, B e C, e, contrariando todas as leis da natureza, Horror não circula em torno dos mesmos, mas esses é que gravitam em volta do planeta. Eles estão organizados na forma de um triângulo equilátero e formam um transmissor solar. Esse sistema está a 900.000 anos-luz da borda da Via Láctea e a 300.000 anos-luz do sistema estelar Gêmeos. Horror é um mundo oco gigantesco, criado artificialmente pelos senhores da galáxia e era, como Gêmeos, uma das armadilhas diabólicas que tinham sido introduzidas na estrada de transmissores que levava para Andrômeda — juntamente com outras armadilhas.

O planeta tem um diâmetro total de 13.812 km e está no foco comum dos três sóis, que o orbitam cada um a 95 milhões de quilômetros. Ele não tem rotação própria. Possui uma camada atmosférica com um teor de oxigênio bastante elevado e é perfeitamente respirável. A temperatura média é de cerca de 30°C. A sua gravitação na superfície é de 1,01 g. É um mundo tão liso que parece ter sido lixado. Na melhor das hipóteses haverá microrganismos, musgos e líquens em sua superfície. Ondulações chatas ocupam o lugar das montanhas. As planícies são extensas e lisas. As superfícies cobertas de musgos verdes lembram gramados bem aparados. De vez em quando se via uma formação de dunas, outras vezes uma poça de água e raramente um pequeno lago de 1 km² no máximo. Realmente trata-se de um mundo semelhante a uma bola de plástico lisa. No interior, o mundo é dividido em um espaço oco central, que contém uma concentração de energia semelhante à de um sol, e várias camadas ao redor, formadas por três níveis constituídos em forma de casca, antes de chegar ao quarto nível, que corresponde à superfície externa. Os três níveis foram nomeados pelos terranos, a partir do centro, como nível verde, nível vermelho e nível amarelo, por causa da cor que predominava em cada nível. Algumas das chamadas montanhas-pilastras e montanhas inteiras conectam as cascas rochosas individuais em conjunto umas às outras e proporcionam a estabilidade necessária ao planeta. A superfície parece ter sido varrida por uma vassoura gigantesca. Não há montanhas, nem mares, nem construções. É o planeta das alucinações. Em Horror nunca escurece É por causa dos três sóis. A única estrutura conhecida na superfície é a estação de regulagem do transmissor solar.

História


Em tempos passados, o planeta tinha sido devastado por uma terrível guerra atômica. E deve ter sido uma guerra devastadora. Em outubro do ano 2400, a nave terrana Crest II, vindo de Gêmeos, se rematerializou no núcleo de energia. O nome “Horror” remonta ao sargento Josh Bonin, um tripulante da nave terrana, que o utilizou pela primeira vez durante uma missão de reconhecimento em 11 de outubro do ano 2400. Depois de passar pelos diversos níveis e vencer os obstáculos, a tripulação finalmente alcançou a superfície, porém, toda a nave foi submetida a um processo de miniaturização pelo condensador estrutural e reduzida em mil vezes. Eles só recuperaram o seu tamanho normal depois que a nave foi levada para bordo da fortaleza espacial dos maahks, e essa voou através do transmissor de Horror.


 

Créditos: 

Fontes


  • PR206, PR207, PR208, PR209, PR210, PR211, PR212, PR213, PR215, PR216, PR217, PR228.
  • Seção Glossário da edição digital da SSPG: volumes especificados no campo Glossários Veiculados.
  • Internet: Informações extraídas em parte do site Perrypedia (www.perrypedia.proc.org). This article uses material from the Perrypedia article “Horror”, which is released under the GNU Free Documentation License 1.2. Informações extraídas em parte do site Perry Rhodan und Atlan Materiequelle (www.pr-materiequelle.de).
Seção do Site: 
Glossarios Veiculados: