Uleb

Povo inteligente não humano. Eles eram os representantes da chamada Primeira Potência de Vibrações. Seus indivíduos, também conhecidos como condicionados em primeiro grau, eram os líderes da Polícia do Tempo. Eram bestas-feras de um novo tipo.

Dados gerais


Eles eram o produto final de uma longa cadeia de reproduções que começou com a criação das bestas-feras pelos okefenokees a partir do material genético dos skoars da galáxia M-87.

  • Nota: Uleb é a abreviação para “Unbekannte Lebensform” em alemão, ou seja, forma de vida desconhecida [Perrypedia].

Descrição Física


Tinham pele cinza-azulada, formada por escamas hexagonais do tamanho de um botão. A cabeça era semi-esférica que nem a dos halutenses. Também possuíam três olhos gigantescos, que brilhavam num tom avermelhado. Eram cerca de 50 cm mais altos que os halutenses. Eles tinham duas pernas e dois pares de braços, dos quais o inferior se fixava ao peito e é conhecido como o par de braços de corrida. Os braços, que ficam no mesmo lugar que nos humanos, são chamados de braços de ação. Assim como os halutenses, eles tinham um cérebro comum e um planejador e podiam converter voluntariamente a estrutura do corpo em uma base molecular-atômica (conversão estrutural), tornando-a mais dura do que o terconite. Eles também tinham um estômago conversor. Em contraste com os halutenses, a pele do uleb consiste em escamas hexagonais azul-esverdeadas do tamanho de um botão. Na frente do corpo, três pedras azuis brilhantes cresciam dentro do corpo, as chamadas pedras do centro. Os ulebs eram biologicamente imortais, mas estéreis. Por meio do neobilácio era possível para eles assumirem outros corpos, mas ao fazer isso eles retinham a sua enorme massa corporal. Eles se mostravam a outros povos principalmente na forma de gurrados, razão pela qual os terranos cunharam o termo pseudogurrados.

Peculiaridades psicológicas e sociológicas


Os ulebs eram extremamente egoístas. Além do medo de perseguição por parte dos construtores do centro (CdC) e do pânico resultante de experimentos no tempo, a principal motivação dos ulebs era a preocupação geral com a própria vida. Além disso, todo o resto perdia importância. Esse medo era a única ligação na sociedade de propósitos específicos dos ulebs, na qual havia sinais de uma certa hierarquia social (subdivisão em ulebs simples e de alto escalão), mas nenhum governo real. Os ulebs não tinham o menor contato amigável entre si. Sem escrúpulos, faziam de tudo para proteger suas vidas. Eles próprios traíam os semelhantes, se isso garantisse sua própria sobrevivência. Se olharmos mais de perto para esses aspectos, é preciso concluir que a sociedade para fins específicos dos ulebs não é viável a longo prazo. No caso de divergências entre si, a violência ocorria rapidamente. Era ali que os gohks entravam. Os nativos inofensivos do planeta Uleb I viviam com os ulebs em uma espécie de simbiose. Eles serviam como consultores para os oito milhões de ulebs do sistema Enemy. Os gohks podiam ser encontrados em qualquer lugar do sistema Enemy, onde vários ulebs podiam entrar em contato. Uma exceção era a morada de um uleb. Como nenhum uleb entraria na morada de outro, nenhum gohk era necessário ali. Os ulebs se subordinavam às decisões dos gohks no sistema Enemy, a fim de garantir a convivência e, portanto, a sobrevivência em geral. Os gohks eram inofensivos demais para capitalizar. Os gohks não influenciavam as decisões que não afetassem a coexistência no sistema Enemy. Por mais egoístas que fossem os ulebs, eles eram igualmente suspeitos. No entanto, eles evitavam argumentos abertos, preferiam trabalhar em segredo. Se necessário, eles chamavam seus povos auxiliares em busca de ajuda (condicionados em segundo grau e condicionados em terceiro grau). Em vez de agir com seus próprios corpos, os ulebs preferiam assumir outros corpos. Eles usavam principalmente os corpos dos gurrados para isso. Nesse disfarce, eles ficaram conhecidos como pseudogurrados. Para poder assumir os outros, os ulebs precisavam necessariamente de neobilácio. Em princípio, o uleb podia transferir sua consciência para quase todos os outros corpos por um curto período de tempo. Era secundário se o corpo ainda estava vivo ou morto há pouco tempo. Os chamados paraplantas eram uma exceção, pois não podiam ser assumidos pelos ulebs. O corpo assumido tinha muitas propriedades físicas dos ulebs, como o peso corporal, a resistência (até sobrevivia ao bombardeio de radiadores de impulsos individuais) ou a enorme força física.

  • Nota: Até agora não está exatamente claro o que acontecia com o corpo original dos ulebs durante uma aquisição. Como os ulebs levavam seu peso corporal com eles, pode-se presumir que o corpo original se integrava ao corpo assumido por esse tempo. Uma teoria diz que a massa corporal do uleb era armazenada no tecido celular do corpo assumido, causando endurecimento celular.

Foi demonstrado que o uleb não podia entrar em contato com a mente da pessoa que foi assumida, ou seja, eles não tinham acesso ao conhecimento ou habilidades psíquicas dessa pessoa. Em caso de perigo, eles deixavam o corpo que assumiam, e assumiam sua estrutura natural. A longo prazo, obviamente eles só podiam assumir corpos que tinham sobrevivido à peste do sangue (nota: Por essa circunstância, que é com os baramos?); caso contrário, eles só podiam assumir os corpos por um curto período de tempo. Daí a preferência pelos gurrados, aparentemente ideais para a aquisição por razões desconhecidas. A beleza e a arte ópticas eram completamente estranhas aos ulebs, eles procediam de maneira totalmente apropriada na fabricação de seus objetos do cotidiano e no mobiliário de suas moradas.

O neobilácio


Os ulebs eram capazes de assumir o controle de cadáveres. Porém, como resultado, eles não podiam usar o espírito da vítima com seus conhecimentos e habilidades como os cappins, por exemplo. Durante a assunção, a massa corporal do uleb primeiramente é transformada em energia e depois transformada de volta no corpo hospedeiro. Assim, possui a potência, a velocidade e a capacidade da conversão estrutural de um corpo de uleb. Assim que o uleb deixa o corpo hospedeiro, esse se torna um cadáver novamente. Para poder assumir o controle do corpo de outros seres vivos, os ulebs ganharam no planeta Baykalob o neobilácio através dos ovos dos baramos. Os baramos foram obrigados a voar até Baykalob para colocar seus ovos a fim de preservar sua espécie, porque o neo-hovalgônio, necessário para a eclosão dos ovos, só podia ser encontrado nesse planeta. No entanto, os ulebs controlavam a postura dos ovos e, portanto, a população dos baramos. Esses se sentiam escravizados e procuravam na Pequena Nuvem de Magalhães por apoiadores na luta contra os exterminadores, destruidores, malignos ou terríveis, como os ulebs eram chamados por eles.

O sistema natal


Até o outono do ano 2437, o centro de poder dos ulebs era o sistema Enemy, situado na ponte de matéria entre as Nuvens de Magalhães. 13 luas orbitavam ao redor do planeta gigante Atlas. Na lua Uleb I, os ulebs viviam pacificamente com os gohks, esses refreavam a agressividade inata dos ulebs e assim impediam que a civilização dos ulebs se extinguisse. Eles apenas se encontravam quando era necessário liquidar algum adversário em alguma ação comum. Por isto em Uleb I havia somente pequenas construções, nas quais morava apenas uma fera. O resto dos mundos foi usado para o abastecimento e era administrado por escravos (gurrados e outros). O planeta e suas luas estavam escondidos atrás de um chamado campo do tempo.

Tecnologia


Espaçonaves

Suas naves espaciais são chamadas naves cônicas ou naves giroscópicas, porque seu formato é cônico, com uma superfície redonda e um afunilamento forte em direção à popa. A altura média é de 700 metros, o diâmetro máximo é de 1.200 metros. A propulsão principal estava na popa, os propulsores de correção em um anel da protuberância no meio da nave. O armamento consistia principalmente em canhões intervalares.

Ulebs conhecidos


Alguns ulebs conhecidos são:

  • Danta-Pyrt, Falgaer-Kym, Ghorgur-Pra, Olyn-Tzair, Zeffin-Quorm.

História


Os ulebs foram os verdadeiros governantes das Nuvens de Magalhães até a chegada dos terranos no século XXV.

A criação das bestas-feras

Os construtores do centro (CdC), o povo dominante na galáxia M-87, foram responsáveis ​​pela criação das bestas-feras e começaram a experimentar com os skoars há cerca de 70.000 anos. As primeiras bestas-feras emergiram do material genético dos skoars. Após longas guerras, oitocentos milhões de bestas-feras fugiram de M-87 em vários grupos com os propulsores dimetrans. Um desses grupos se materializou no centro da Via Láctea devido às propriedades especiais dos propulsores dimetrans. Esse grupo, composto por duzentos milhões de indivíduos, se estabeleceu na Grande Nuvem de Magalhães, que não pode ser alcançada com propulsores dimetrans. Através de outras experiências de criação das bestas-feras com seu pool genético desde o ano 60.000 AC, os oito milhões de ulebs finalmente foram criados - biologicamente imortais, mas estéreis. Os ulebs foram reconhecidos pelas bestas-feras do tipo antigo como governantes superiores e se retiraram para a Pequena Nuvem de Magalhães.

O estabelecimento da Polícia do Tempo

Depois de duas tentativas deficitárias de destruir os CdC em sua pátria, os ulebs descobriram que os cientistas dos okefenokees de M-87 estavam trabalhando em uma máquina do tempo. Uma vez que os ulebs, na forma de uma paranoia coletiva, temiam que seriam aniquilados pela manipulação do tempo antes mesmo de emergirem, eles fizeram tudo ao seu alcance para evitar experimentos com o tempo. Isso resultou no ataque aos lemurenses, que se desenvolveu na guerra lemurense-halutense, depois do ano 50.000 AC, quando eles realizavam experimentos de tempo. Os ulebs agiram em segredo: eles enviaram trezentos milhões de descendentes das bestas-feras originais (cerca de metade da população de bestas-feras na Grande Nuvem de Magalhães), os halutenses antigos, para a Via Láctea para tomar medidas contra os lemurenses. Essa apresentação remonta à pesquisa de Icho Tolot em antigos arquivos halutenses e é a versão agora reconhecida.

  • Nota: Durante a primeira incursão no planeta Halut, os terranos encontraram uma tradição diferente. Cerca de 500.000 dos chamados halutenses primitivos resistiram ao condicionamento pelos parceiros simboflex há cerca de 60.000 anos, fugiram das Nuvens de Magalhães para a Via Láctea e fundaram uma nova civilização em Halut, que (aparentemente) não foi reconhecida pela Primeira Potência de Vibrações. No entanto, 10.000 anos depois, os genes das bestas-feras - controlados pela Primeira Potência de Vibrações - surgiram e os halutenses invadiram a Via Láctea com uma guerra terrível que finalmente terminou com a aniquilação do império lemurense.

Os ulebs criaram a Polícia do Tempo para agir contra os criminosos do tempo. Eles se referiam a si mesmos como a Primeira Potência de Vibrações, ou condicionados em primeiro grau. Os condicionados em segundo grau foram criados pelos ulebs especialmente para seu trabalho como a Polícia do Tempo dos 300 milhões de bestas-feras restantes na Grande Nuvem de Magalhães, onde as bestas-feras do tipo original foram “necessárias”. Eles foram mantidos sob controle por meio dos parceiros simboflex. Com os dolans, também criados com o material das bestas-feras, os condicionados em segundo grau tinham um instrumento de poder superior. Os perlians eram usados como condicionados em terceiro grau e controlados pelos olhos do tempo. Uma ajuda importante dos perlians foram os hipnocristais, que eles tinham mandado extrair por escravos dos vinte e nove planetas Danger e os transformaram em agentes de cristal em mundos como Modula II. A Polícia do Tempo foi usada contra os gurrados na Grande Nuvem de Magalhães quando esses faziam experimentos com o tempo no século XXII. Para suprimir os gurrados, o povo dos generais, que vivia na Grande Nuvem de Magalhães, também foi convocado. Devido a experimentos aconenses com o transmissor do tempo defeituoso dos senhores da galáxia do planeta Pigell, no sistema Vega, os terranos foram classificados como criminosos do tempo pela Polícia do Tempo. Isso levou a ataques de agentes de cristal, generais, perlians e condicionados em segundo grau contra o Império Solar. Os próprios ulebs controlavam a Pequena Nuvem de Magalhães na camuflagem de criaturas assumidas. Conforme os terranos avançavam para a Pequena Nuvem de Magalhães, eles encontraram ulebs na forma de pseudogurrados.

A aniquilação do mundo natal

No ano 2437, eles foram exterminados pelas armas da frota dumfrie. O poder dos ulebs foi levado a um fim irrevogável por uma frota dos okefenokees, fazendo com que o sol Enemy se tornasse uma nova no início de outubro do ano 2437, destruindo o sistema. Curiosamente, quase todos os oito milhões de ulebs com suas 8.000 chamadas naves cônicas ficaram entrincheirados no sistema Enemy e foram vítimas do ataque das forças armadas dos construtores do centro. Aparentemente, nenhuma delas conseguiu escapar, embora ainda fosse possível às unidades de comando terranas recuperar documentos técnicos dos arquivos dos ulebs do sistema Enemy no final do conflito.

Os sobreviventes

Os ulebs nunca emergiram como um fator de potência depois. No entanto, alguns deles também apareceram mais tarde: 1) A tripulação de uma espaçonave cônica que havia feito um pouso de emergência no planeta Irksan-III na Nebulosa Trífida foi eliminada pelos aras usando armas biológicas. Com base em estudos do metabolismo dos ulebs, os aras criaram lutadores igualmente resistentes, os helothas. 2) No elevador dimensional de Dorkh, Atlan encontrou cinco ulebs no ano 2650, que haviam assumido o controle desse fragmento de mundo depois do ano 50.000 AC. Todos os cinco foram mortos por sua própria culpa em um motim entre os residentes de Dorkh nesse mesmo ano. Para acabar com a rebelião, eles abandonaram os chreeans assassinos sanguinários, e essas criaturas também não pouparam e mutilaram os ulebs (por meio de muitos experimentos genéticos neles mesmos, esses cinco ulebs perderam a capacidade de alterar a sua estrutura corporal).


 

Créditos: 

Fontes


  • PR305, PR318, PR325, PR372, PR384, PR385, PR387, PR389, PR390, PR391, PR394, PR395, PR396, PR397, PR398, PR399, PR860.
  • RP-97.
  • Atlan nº 463, 464.
  • Glossário: PR3005.
  • Internet: Informações extraídas em parte do site Perrypedia (www.perrypedia.proc.org). This article uses material from the Perrypedia article “Uleb”, which is released under the GNU Free Documentation License 1.2. Informações extraídas em parte do site Perry Rhodan und Atlan Materiequelle (www.pr-materiequelle.de). Informações extraídas em parte do site Crest-Datei (www.crest-datei.de).
Seção do Site: