Aychartano

Povo inteligente não humano da galáxia Vayquost. Eles são piratas no território de soberania do Ducado de Krandhor. Eles dominam ali por muitas gerações o setor espacial Juumarq, que eles defendem ferozmente contra intrusos.

Descrição Física


Os aychartanos de aproximadamente 1,50 m de altura se desenvolveram a partir de seres anfíbios e tinham uma forma aproximadamente humanoide. O corpo estava sem pelos e coberto de escamas marrons. A cabeça em forma de ovo sem pescoço era dominada por dois grandes olhos de peixe. Além das mãos e pés palmados, as criaturas tinham dois tentáculos móveis adicionais de 1,5 m de comprimento que estavam na altura da barriga. Na parte de trás, duas abas grandes e grossas, que eram barbatanas anteriores, se projetavam para a frente. A barriga tinha costelas salientes. Entre um colar de órgão esponjoso (órgãos sensoriais adicionais) e a cabeça havia um suplemento cerebral, cuja bexiga com veias pulsava levemente. Os piratas dos aychartanos detestam roupas e trajes espaciais. Eles preferem um clima quente e úmido. Suas vozes soam como se estivessem falando debaixo d'água. Os piratas não usam spoodies.

Características Psicológicas


Os aychartanos eram estritamente organizados hierarquicamente. Seu chefe decidia tudo o que era aceito incondicionalmente. A sucessão passava - com as mesmas competências - ao seu representante e sucessor. Eles eram muito frios e fechados para estranhos. Até a sua aparência, eles a mantinham em grande parte secreta. Os aychartanos rejeitavam a simetria e a franqueza. Eles se agarravam a uma doutrina que continha várias regras de conduta. Entre outras coisas, em caso de falha, a doutrina exigia calma estóica da pessoa em questão, retorno a decisões anteriores e autoincriminação caso as declarações fossem consideradas defeituosas. A doutrina só permitia matar seres inteligentes em certos casos excepcionais. Os comandantes de espaçonave tinham o título de chefe de bordo.

O planeta natal


O planeta natal, seu nome, bem como outras bases dos aychartanos, eram um segredo bem guardado.

Tecnologia


Particularmente avançada era a tecnologia baseada no magnetismo. Nesse contexto, os piratas usavam o magnetismo do universo, dos sóis e planetas e até mesmo de seu próprio corpo. O transporte dentro da espaçonave era assegurado por cápsulas magnéticas. Os controles podem ser feitos via comando ocular. Nesse caso, os flashes são disparados dos olhos dos respectivos aychartanos para os receptores nos dispositivos correspondentes. O chefe de bordo de uma espaçonave era capaz de determinar o estado de espírito de seus astronautas com a ajuda de sensores especiais. O estado de espírito era exibido para ele com cores diferentes. Por meio de projetores, ele era capaz de influenciá-los também. Os aychartanos usavam estruturas semelhantes a medusas, possivelmente orgânicas, como tradutores. Os aychartanos tinham à sua disposição um sistema de armamento ofensivo que foi chamado de raio negro pelos kraneses.

Espaçonaves

As espaçonaves dos piratas sempre foram construídas com o mesmo princípio, mas tinham uma variedade de tamanhos, formas ou cores. Elas consistiam em formações rochosas escavadas e frequentemente perfuradas de estrutura semelhante a pedra-pomes. Em um processo conhecido apenas pelos aychartanos, as espaçonaves eram trabalhadas, vazadas e estabilizadas até estarem tão fortes e estáveis quanto o melhor aço kranês. Somente após a estabilização eram instaladas as máquinas necessárias. No interior da nave prevalecia a semiescuridão. Entre as maiores unidades conhecidas incluem-se os exploradores de setor. Essas tinham várias centenas de metros de comprimento e 200 metros de altura.

Espaçonave conhecida

  • Força Através da Obediência (explorador de setor).

Robôs

Para abordagem de espaçonaves, os aychartanos usavam robôs de combate surpreendemente pequenos, que mal chegavam ao joelho de um humano, mas eram incrivelmente ágeis e desembaraçados, e seu armamento era assustadoramente bom. No entanto, eles representavam uma séria ameaça para defensores bem armados e determinados, apenas com superioridade numérica significativa.

Aychartanos Conhecidos


  • 1-Lindepj, 1-Rot, 2-Herri, 3-Marli, 4-Barra, 8-Pompa.

História


Os kraneses falharam em integrar os piratas aychartanos ao seu império estelar ou mesmo seguir apenas uma espaçonave dos aychartanos. Os kraneses não sabiam exatamente de onde os aychartanos provinham. No ano 424 NCG, os piratas se tornaram cada vez mais ousados e bem-sucedidos em seus ataques. Então eles conseguiram danificar severamente a espaçonave dos kraneses Arsalom por sabotagem. Czyk, a décima-comandante da Arsalom, havia sido sabotada com um pseudospoodie equipado com um projetor de raios hipnóticos. Isso foi revelado pelos betschidianos Surfo Mallagan, Brether Faddon e Scoutie, que haviam acabado de sair como recrutas a bordo da Arsalom. No mesmo ano, a Força Através da Obediência pousou despercebida no planeta Ponto de Prova I, pertencente ao Ducado de Krandhor. Os aychartanos exploraram uma instalação abandonada na qual, até alguns anos antes, os recrutas do Ducado haviam sido testados quanto à sua adequação ao serviço da frota. Os aychartanos assistiram à chegada da nave Santonmar e ao desembarque dos betschidianos Surfo Mallagan, Brether Faddon e Scoutie no planeta. 1-Rot, o comandante da Força Através da Obediência, enviou duas tropas para capturar os betschidianos. Uma tropa entrou em uma instalação de provas, foi posta fora de ação por uma espécie de influência hipnótica e teve que voltar de mãos vazias. A segunda tropa conseguiu manipular o edifício central da instalação de provas para que os betschidianos fossem atraídos para a Força Através da Obediência. Ali, os betschidianos foram capturados. Isso não passou despercebido por Kullmytzer, comandante da Santonmar. Os kraneses localizaram a nave dos aychartanos e atacaram. A Força Através da Obediência partiu e teve que sofrer alguns impactos. No entanto, não foi tão danificada quanto a Santonmar. Os aychartanos atiraram na nave kranesa até torná-la um destroço. Enquanto isso, os betschidianos foram interrogados, e seus spoodies morreram. Como os prisioneiros não tinham informações interessantes, eles se tornaram inúteis para os aychartanos. De acordo com a sua doutrina, os aychartanos não mataram os betschidianos. Em vez disso, eles foram devolvidos por 3-Marli com uma nave auxiliar ao destroço da Santonmar. O kranês Dabonudzer disparou na nave auxiliar aychartana com um canhão da Santonmar que ele havia consertado, quando ela partiu de volta. A Força Através da Obediência, em seguida, deixou o sistema com um destino desconhecido. 3-Marli sobreviveu à destruição de sua nave. Ele passou despercebido pelo destroço da Santonmar e se escondeu na nave auxiliar Vaccom. Ele manipulou o piloto automático, de modo que a Vaccom estabeleceu o rumo de um ponto de coleta aychartano, quando os betschidianos e Dabonudzer deixaram o destroço com a nave auxiliar. 3-Marli se revelou quando Dabonudzer quis reprogramar o piloto automático. Dabonudzer deixou claro para ele que o ponto de coleta estava muito além do alcance da Vaccom. Com isso, ele desviou a atenção do aychartano para que Mallagan pudesse esgueirar-se e abater o pirata. Dabonudzer foi morto por uma espécie de explosão de energia, que o moribundo 3-Marli provocou de uma maneira desconhecida. Ele então deu aos betschidianos a ordem pós-hipnótica de voar para o planeta Cratcan, antes de entregar o seu corpo ao espaço cósmico e depois esquecer tudo. Em um momento desconhecido, possivelmente antes dos eventos em torno dos betschidianos, os piratas aychartanos descobriram um planeta que alguns mestres das artes marciais tradicionais kranesas haviam se retirado para continuar seus estudos sem perturbações. Os aychartanos conquistaram várias escolas e influenciaram seus prisioneiros, a fim de esquecer seus ensinamentos e instruir seus discípulos apenas em técnicas de luta mortais. O kranês Cylam, mestre de todas as disciplinas, ouviu falar sobre esses incidentes. Ele foi com o seu aluno Wyskynen ao planeta e resolveu o problema. Ali, Wyskynen matou muitos aychartanos. Durante uma fuga de prisioneiros no planeta Couhrs, um grupo de aychartanos liderados por 1-Lindepj conseguiu tomar o duque Gu e o diretor da prisão, Jaagan, como reféns. Eles fizeram uma causa comum com o também fugitivo solanense Ford. Depois de algum tempo, 1-Lindepj perdeu a confiança no ser humano e o levou também como refém. De fato, Ford trabalhava junto com as pessoas responsáveis em Couhrs, que conseguiram, mesmo sem sua ajuda, atrair os aychartanos para uma armadilha. Ali, alguns aychartanos, bem como Ford, foram mortos. Os sobreviventes foram presos novamente.


 

Créditos: 
  • Capa da edição alemã: Copyright © VPM – Pabel Moewig Verlag KG, Alemanha.

Fontes


  • PR1003, PR1004, PR1005, PR1025, PR1028.
  • Seção Glossário da edição digital da SSPG: volumes especificados no campo Glossários Veiculados.
  • Internet: Informações extraídas em parte do site Perrypedia (www.perrypedia.proc.org). This article uses material from the Perrypedia article “Aychartaner”, which is released under the GNU Free Documentation License 1.2. Informações extraídas em parte do site Perry Rhodan und Atlan Materiequelle (www.pr-materiequelle.de).
Seção do Site: