Tro Khon

Condicionado em segundo grau. Ele era um policial do tempo. Por muitos séculos, ele dormiu em uma caverna de geleira no terceiro planeta do sistema Modula, situado na Grande Nuvem de Magalhães.

Descrição Física


Ele era um típico representante desse povo com 4,10 metros de altura e quase três metros de largura, que usava um parceiro simboflex ao redor do pescoço.

Características Psicológicas


Ele tinha um caráter muito ambivalente. Sob o controle do parceiro simboflex, ele nada mais era do que um fantoche dos ulebs, por outro lado - mesmo durante o controle do parceiro simboflex - era moldado por um certo respeito pela vida e um forte senso de justiça. Sua enorme força de vontade permitiu que ele, como o único condicionado em segundo grau conhecido, se rebelasse permanentemente contra seu parceiro simboflex e o arrancasse de seu corpo em vez de continuar a se curvar aos comandos. No entanto, devido à sua descendência das bestas-feras, Tro Khon era extremamente medroso e tinha um pânico irracional quando confrontado com os construtores do centro ou seus assistentes. Esse medo se abateu sobre ele antes e durante o voo para a galáxia M-87. Somente quando o seu parceiro simboflex foi ferido em um acidente é que a resistência em Tro Khon despertou, até que finalmente pôde removê-lo de seu corpo.

História


Antes da guerra dos dolans

Por meio de experimentos com novos canhões conversores em Quinto Center, Tro Khon ficou sabendo dos terranos no ano 2388 e enviou os primeiros agentes de cristal por causa dos efeitos experimentais de tempo que ocorreram. Em seguida, ele foi descansar novamente, convencido de que os agentes de cristal acabariam com o incidente rapidamente no interesse da Polícia do Tempo. No ano 2404, ele foi despertado novamente pela viagem indesejada no tempo da nave Crest III. Devido à suposta gravidade do crime do tempo, o condicionado em segundo grau instruiu os perlians a tomarem uma ação massiva contra os terranos usando os agentes de cristal e foi dormir novamente. Os perlians levaram 31 anos para condicionar cristais suficientes como uma arma. O alarme vibratório disparado pela derrota dos condicionados em terceiro grau o acordou novamente em 22 de dezembro do ano 2435. Durante o período final de sono, o primeiro executor do dolan de Tro Khon morreu. Como ele precisava de um novo executor, ele destruiu o cruzador leve terrano Golden Star e colocou o único sobrevivente, o terrano Camaron Olek, contra sua vontade como o novo executor. Os executores restantes no dolan inicialmente ficaram céticos, mas depois ficaram entusiasmados com as habilidades de Olek, que rapidamente se adaptou.

A guerra dos dolans no ano 2436

No mês de janeiro

Em 4 de janeiro, Tro Khon assumiu o robô gigante Old Man, que era governado pelos últimos agentes de cristal remanescentes, e destruiu os agentes de cristal rebeldes. Nesse momento, o robô gigante estava em uma órbita em torno do sol Navo-Norte. A fim de dominar totalmente Old Man, ele chamou seis outros condicionados em segundo grau para ajudar, incluindo Aser Kin e Rels Kor. Antes de chegarem ao robô gigante em 10 de janeiro, Tronar e Rakal Woolver conseguiram invadir Old Man e deixar uma mensagem para o ex-agente de cristal que havia sido convertido em hovalgônio. O controle da mente por seu parceiro simboflex impediu Tro Khon de prestar atenção às promessas de inocência dos gêmeos Woolver.

No mês de fevereiro

Old Man, sob o comando de Tro Khon, entrou no Sistema Solar no início de fevereiro. Houve um ataque à lua de Netuno, Tritão, na qual também havia uma cidade de fuga dos lemurenses. Alguns policiais do tempo sob o comando de Tro Khon foram à lua após o sinal dos oxtornenses Perish e Cronot Mokart, pelo qual Aser Kin foi o primeiro condicionado em segundo grau a ser capturado pelos terranos. Tro Khon, entretanto, permaneceu a bordo de Old Man para liderar o ataque contra o Sistema Solar.

No mês de março

No início de março, a frota terrana foi capaz de expulsar os condicionados em segundo grau de Old Man com a ajuda de canhões conversores REMF modificados. Apenas Tro Khon e seu dolan sobreviveram. Em sua fuga, ele foi perseguido pela nave Wyoming sob o comando do coronel Don Redhorse. Um comando liderado pelo coronel conseguiu embarcar no dolan de Tro Khon. Chegando ao destino de Tro Khon, eles descobriram o arsenal paratron dos condicionados em segundo grau. Sua fuga com o dolan foi possível pela rebelião do primeiro executor do dolan, Camaron Olek, que foi libertado por Don Redhorse.

No mês de abril

Em 25 de abril, Tro Khon despertou outros 500 condicionados em segundo grau para um ataque à Terra. Inconscientemente, ele sentia respeito pela coragem, adaptabilidade e engenhosidade dos terranos. Sua tolerância, que crescia lentamente, no entanto, foi suprimida desde o início por seu parceiro simboflex. Um incidente importante ocorreu enquanto seu novo dolan estava sendo equipado. Um cabo de força se soltou, atingiu seu parceiro simboflex e o deixou atordoado. Por um breve período, Tro Khon foi libertado de sua escravidão espiritual e viu através das conexões. Antes que pudesse ter seu parceiro simboflex removido cirurgicamente, no entanto, ele acordou e assumiu o controle novamente. No entanto, ele não era mais capaz de controlar totalmente o condicionado em segundo grau, o subconsciente de Tro Khon manteve uma certa independência. Durante o primeiro ataque dos dolans ao Sistema Sol liderado por Tro Khon em 28 de abril, essa independência acabou levando a erros táticos e à derrota quase completa da frota de dolans. Apenas 114 dolans conseguiram escapar, com um deles sendo notado por um voo irregular e ficando atrás dos outros. Seu campo defensivo desabou várias vezes e ele começou a enviar símbolos incompreensíveis no código da frota terrana. Pouco antes de 50 dos dolans sobreviventes serem capazes de levar seus companheiros de volta, um grupo de embarque terrano consistindo de Camaron Olek, Tako Kakuta e Don Redhorse conseguiu penetrar no dolan. Eles testemunharam uma batalha mental amarga entre Tro Khon e seu parceiro simboflex. Antes de sua derrota (temporária), no entanto, Tro Khon conseguiu iniciar uma etapa de emergência dimetrans. O ponto de saída era um sol verde com três planetas em um ramo da galáxia.

  • Nota lateral: O voo dimetrans dentro de uma galáxia não é realmente possível, aparentemente o autor precisava disso para fins dramatúrgicos, vide também em erros dos autores.

Como o condicionado em segundo grau estava temporariamente impossibilitado de agir devido ao duelo contra o parceiro simboflex, Olek assumiu o controle dos executores e pousou o dolan no segundo planeta, um inferno selvático. Os três terranos escaparam para a selva. O parceiro simboflex conseguiu mais uma vez obter o controle de Tro Khon. Ele caçou e encontrou Camaron Olek e Don Redhorse para incorporar na associação de executores. Apenas Tako Kakuta escapou sem ser reconhecido. O condicionado em segundo grau estava convencido de sua morte. Pouco antes da partida e retorno ao ponto de partida original, Tako Kakuta foi capaz de atordoar o parceiro simboflex e, portanto, Tro Khon com um radiador de choque. Chegando ao Sistema Solar, o condicionado em segundo grau - mais uma vez brevemente mestre de seus próprios sentidos - deixou os três terranos escaparem, e a liderança terrana recebeu informações importantes sobre as verdadeiras estruturas de poder.

No mês de maio

Em 30 de maio do ano 2436, o ex-vigilante fez contato com os terranos e mostrou-lhes o caminho para a galáxia M-87, para onde a nave Crest IV tinha sido transferida. Portanto, no final de maio, Tro Khon foi capturado no sistema Vega pela frota de defesa estacionada ali sob o comando do general Pera Isigonis. O condicionado em segundo grau conseguiu arrancar seu parceiro simboflex de seu corpo e, assim, escapar de seu condicionamento. Embora estivesse fisicamente debilitado pelo ferimento grave, ele prometeu cooperar ativamente com os terranos e pediu asilo. Ao fazer isso, no entanto, ele atribuiu grande importância ao fato de que não fez isso pelos terranos, mas para resgatar seus semelhantes. Devido à forte semelhança dos halutenses e o condicionado em segundo grau, os halutenses Pinar Alto e Hisso Rillos presentes foram usados para os cuidados médicos de Tro Khon. Os dois halutenses chegaram à surpreendente constatação de que o condicionado em segundo grau, além de seu tamanho, era geneticamente idêntico aos halutenses. A cooperação desejada não trouxe os resultados desejados para os terranos, como Tro Khon admitiu após descrever as estruturas de governo que ele não tinha autoridade real e, portanto, era capaz de reconhecer pessoalmente a inocência dos terranos, no entanto, não teve efeito sobre seus congêneres, que ainda estavam sob o controle mental dos parceiros simboflex. Pelo contrário, o condicionado em segundo grau pediu ajuda à liderança do Império Solar para seus congêneres escravizados, que - como uma má notícia adicional - haviam sido todos despertados para um grande ataque pelos próprios governantes, a Primeiro Potência de Vibrações. No entanto, uma informação era do maior interesse para a liderança terrana. Tro Khon anunciou que a Crest IV com Perry Rhodan e Atlan a bordo não havia sido destruída, como esperado, mas foi lançada para M-87, o “reino da formação”, devido aos efeitos observados.

No mês de junho

A liderança terrana decidiu repetir a experiência. A nave espacial dos dois halutenses Pinar Alto e Hisso Rillos, a nave fragmentária dos pos-bis, a Box-13111, como um transportador para o conversor Kalup necessário para o voo de retorno da Crest IV e o dolan de Tro Khon foram usados. Embora sentisse muito medo do “reino da formação”, ele foi persuadido pelos terranos a viajar com eles para M-87. O condicionado em segundo grau, portanto, teve que ser forçado a fazer esse experimento por causa de seu pânico medo do reino da formação. Outros participantes foram os saltadores de ondas Rakal e Tronar Woolver, o dr. Armond Bysiphere, Camaron Olek e o Paladino com sua tripulação siganesa. O experimento deu certo e as três espaçonaves alcançaram M-87. Logo após a chegada, o dolan enlouqueceu e explodiu no espaço livre; Tro Khon pôde ser embarcado na nave halutense em tempo útil. No entanto, Tro Khon ficou cada vez mais agitado. A mente de Tro Khon ficou cada vez mais confusa, a ferida causada pela remoção do parceiro simboflex se abriu novamente. Num momento de lucidez, ele pediu a seus companheiros que o matassem por medo dos poderes da formação. Antes que qualquer outra ação pudesse ser planejada, no entanto, Tro Khon começou a ficar furioso. Ele atacou cegamente os halutenses e o Paladino. O Paladino derrotou e matou Tro Khon. Os Thunderbolts do robô Paladino não tiveram escolha a não ser matar o ex-vigilante em legítima defesa. Bilhões de esferas de energia azuis agarraram a espaçonave e o cadáver do ex-policial, que foi jogado de bordo. Pouco depois, atrás da nave halutense em fuga e da Box-13111 que a acompanhava, ocorreu uma tremenda explosão de energias paradimensionais, que fez até mesmo os sóis ao redor brilharem ainda mais.


 

Créditos: 
  • Capa da edição alemã: Copyright © VPM – Pabel Moewig Verlag KG, Alemanha.

Fontes


  • PR322, PR323, PR324, PR325, PR326, PR332, PR333, PR334, PR350, PR351, PR352, PR356, PR357.
  • Glossário: PR3005.
  • Internet: Informações extraídas em parte do site Perrypedia (www.perrypedia.proc.org). This article uses material from the Perrypedia article “Tro Khon”, which is released under the GNU Free Documentation License 1.2. Informações extraídas em parte do site Perry Rhodan und Atlan Materiequelle (www.pr-materiequelle.de). Informações extraídas em parte do site Crest-Datei (www.crest-datei.de).
Seção do Site: