Expedição de Vênus

A expedição de Vênus do Bloco Oriental era parte de um plano para derrubar a Terceira Potência na Terra. O objetivo do avanço era a fortaleza de Vênus, que no ano de 1980 ainda se encontrava nas mãos de Perry Rhodan.

Os participantes conhecidos


  • General Tomisenkow (chefe da expedição), major-general Lemonovitch (representante do chefe da expedição), major-general Pjotkin (chefe da frota de reabastecimento, morto no ano de 1980), coronel Popolzak (responsável pela chefia das tropas, morto no ano de 1981), coronel Raskujan (representante-chefe da frota de reabastecimento, morto no ano 1981), major Lyssenkov (comandante da divisão de foguetes), major Pjatkov (sob o comando de Raskujan, chefe da divisão de helicópteros, morto no ano de 1981), major Ljubol, dr. Militch (médico da expedição), Trevuchin (ajudante e ordenança de Tomisenkov), tenente Chanikadse (morto no ano de 1980), tenente Jossip, tenente Tanjew, tenente Wallerinski (líder dos rebeldes pacifistas), sargento Kossygin (operador de rádio sob Tomisenkov), sargento Rabov (morto no ano de 1981), suboficial Kolzov, cabo Wlassov, soldado Alicharin, soldado Boris, soldado Ilja Iljuschin (pacifista), soldado Jegorov/Breschnjev, soldado Lvov (morto no ano de 1981), soldado Mitja (pacifista), soldado Zelinskij.

Os antecedentes


A oportunidade para a expedição foi a não planejada ausência prolongada de Rhodan desde dezembro do ano de 1975. Enquanto ele estava ocupado com a resolução da Charada Galáctica no sistema Vega, para ele passou apenas um mês. No entanto, nesse meio tempo, na Terra passou quatro anos e meio, e a tripulação da Stardust III então foi considerada perdida. Nessa época, o representante de Rhodan, Michael Freyt, obedecendo ao seu hipnobloco erigido por Perry Rhodan, comportou-se passivo e não interveio nos acontecimentos na Terra.

No Bloco Oriental, enquanto isso o primeiro-secretário Fedor A. Strelnikov através de uma revolução chegou ao poder. Sob sua liderança, o Bloco Oriental construiu na Lua uma estação armada, equipada com bombas catalíticas e deu o impulso para uma invasão de Vênus. O objetivo era conquistar a fortaleza de Vênus e adquirir as então conhecidas realizações técnicas locais. Através do desenvolvimento simultâneo de uma colônia em Vênus também deveria ser acelerado o corte do cordão umbilical com a Terra.

O planejamento e os equipamentos


O planejamento previa, no ano de 1980, primeiramente construir uma base militar e essa se defender contra possíveis ataques. Para isso, 500 espaçonaves com propulsão químico-nuclear e 10.000 homens foram enviados para Vênus. A liderança dessa força armada cabia ao general Tomisenkow, que foi apoiado por dois majores-generais, cinco coronéis assim como um estado-maior de liderança completo. O equipamento militar incluía dez lançadores de mísseis para um total de 100 ogivas nucleares pesadas com uma força explosiva de mais de um quiloton. As espaçonaves mesmas tinham disparadores de armas para pequenas bombas nucleares de menos de 1 qT. Além disso, os soldados dispunham de granadas atômicas não radiativas transportáveis com um raio de explosão muito limitado.

A base deveria ser abastecida de materiais, para a qual logo em seguida uma frota de reabastecimento foi enviada sob o comando do major-general Pjotkin com 200 naves. A tripulação dessas naves consistia em 60% de mulheres - especialistas no campo da biologia, técnica e medicina. Assim, o ponto básico logístico e biológico para uma colônia do Bloco Oriental duradoura deveria ser colocado. O equipamento especial dessa frota era um contingente muito grande de helicópteros. Além disso, a frota de abastecimento dispunha de armas atômicas chamadas “bombas Baby”. Os planejadores calcularam na aproximação do pouso em Vênus com uma perda de 5% das naves através da ionização.

Uma terceira frota de mil naves deveria então entregar outros abastecimentos, em particular combustível de foguete. Assim abastecidas, uma grande parte das naves de Vênus deveria estar pronta para partir de novo, para não ficar impotente em Vênus no caso de possíveis incidentes.

História


O acidente

A execução da expedição inicialmente desenvolveu-se exatamente de acordo com o plano do Bloco Oriental. Tomisenkow, após o tempo de voo de um mês, pode pousar aerodinamicamente e construir seu acampamento. Somente o calor incomodou aqueles soldados que estavam acostumados a um clima subpolar. Uma reviravolta não planejada veio quando a nave Stardust III sob o comando de Perry Rhodan retornou. Os equipamentos de localização de Tomisenkow registraram o objeto voador de grande porte, ao que ele emitiu uma ordem para disparar. Os oito foguetes atômicos disparados não tiveram nenhum efeito sobre a Stardust-III, mas Rhodan foi desse modo atento e foi voando deliberadamente em voo baixo sobre o acampamento do Bloco Oriental. As massas de ar ionizadas e a radiação radioativa da propulsão tiveram um efeito devastador sobre a base. Um trajeto de dez quilômetros de largura correu através da selva, no meio surgiu uma pista de incêndio completamente queimada e contaminada. Morreram 1.984 homens, 420 espaçonaves de Tomisenkow tornaram-se inutilizáveis, cerca de 6.000 homens sofreram ferimentos graves, apenas 2.000 homens escaparam com ferimentos leves e danificaram o tímpano dos mesmos. A expedição manteve ainda apenas cinco de 100 foguetes atômicos e dois de dez lançadores adequados para isso.

Nota: Se Tomisenkow não tivesse atacado a Stardust, ele não teria sido descoberto sob circunstâncias desfavoráveis para ele.

Após a destruição, Tomisenkow mandou desocupar o acampamento-base, duas horas após o sobrevoo da Stardust seu acampamento estava deserto. Os feridos especialmente mais graves foram transportados com as espaçonaves, o resto teve que trilhar um caminho através da selva. Tomisenkow passou a suas tropas com exemplo brilhante e atravessou pessoalmente a selva.

Perry Rhodan, por sua vez, assegurou a fortaleza de Vênus através da concordância de um sinal em código contra o acesso não autorizado. Ele mobilizou, além disso, uma tropa de comando de 50 homens e saiu em busca pela expedição do Bloco Oriental. Conrad Deringhouse descobriu no acampamento-base da expedição a divisão de foguete fortemente maltratada sob o major Lyssenkow, que foi capturado. O acampamento noturno, no qual Tomisenkow ficou depois da marcha pela selva, foi escavado pela descoberta acidental do ajudante de Tomisenkow. Contudo, o general mesmo pode escapar e foi inicialmente dado como desaparecido. Rhodan concentrou-se de agora em diante em fazer as espaçonaves da expedição inutilizáveis.

A selva significaria a morte para muitos homens da tropa, especialmente para aqueles gravemente feridos que foram transportados em macas. A maior parte das tropas abrangendo ainda cerca de 5.000 homens reuniu-se agora nas montanhas. As oitenta espaçonaves evacuadas, espacialmente distribuídas, foram desembarcadas em vales inacessíveis quanto possível, porque se esperava encontrar proteção. Esta esperança se mostrou ilusória, uma vez que as naves permaneciam em contato via conexão de rádio e, portanto, poderiam facilmente ser alvejadas. Um particularmente grande acúmulo de tropas conduziu-se na C-103, cujo ponto de desembarque situava-se mais próximo do primeiro campo evacuado, porque os soldados andando pela selva não desejam realizar nenhuma marcha adicional para as restantes naves.

O major-general Lemonowitsch assumiu o comando após a morte de seu colega e o desaparecimento de Tomisenkow. Quando a nave C-145 informou que foi atacada pela Terceira Potência, incluindo Rhodan pessoalmente, Lemonowitsch deixou suas naves disparando na C-145, na esperança de que Rhodan também fosse atingido. Embora a C-145 tenha sido atingida, porém, tripulação e os atacantes conseguiram se colocar em segurança a tempo.

Rhodan mudou sua tática, e se aproximou das naves agora sob a proteção de um campo defletor. As naves foram sabotadas de maneiras diferentes, enquanto os tanques de combustível foram esvaziados ou os reatores levados a queimar. A C-103 permaneceu como última capaz de voo.

Tomisenkow pode alcançar a C-103, finalmente, após exaustiva marcha através da selva. O ataque de sabotagem de Rhodan fracassou quase na formação estratégico-tática de Tomisenkow. Embora a C-103 ainda pode ser danificada, mas o pessoal de Tomisenkow foi capaz de capturar um shift. Após o reparo por seu técnico elétrico, Tomisenkow deixou o radiador de nêutrons do shift em operação e, portanto, atacou o shift de Rhodan. Esse conseguiu escapar, Conrad Deringhouse tornou o shift de Tomisenkow inutilizável.

A expedição de Vênus do Bloco Oriental, portanto, não tinha nenhuma possibilidade de escapar de Vênus. Nem poderia ser levada para a posse da fortaleza de Vênus. Essa situação sem esperança conduziu nas tropas de Tomisenkow à uma desmoralização, razão pela qual formou-se várias facções.

A frota de abastecimento

No caminho de volta para a Terra, no ano de 1980, ocorreu uma colisão da Stardust III com a frota de abastecimento. A Vladislav Kossygin, a nave capitânia com o major Pjotkin, foi destruída, 34 naves foram atingidas. O representante de Pjotkin, o coronel Raskujan, assumiu, depois do desastre, o comando das restantes 199 naves. Elas chegaram quase um mês depois em Vênus. As naves danificadas não tinham nenhuma chance no desembarque. Outras 43 naves queimaram durante a aproximação para pouso - significativamente mais do que as dez naves que tinham sido definidas pelos planejadores do Bloco Oriental. Todavia, 123 naves de Raskujan permaneceram, o acampamento foi construído sobre a clareira queimada que a Stardust tinha traçado através do primeiro acampemento de Tomisenkow.

O coronel Raskujan deixou a busca por Tomisenkow e soube por alguns soldados dispersos que a tropa se encontrava praticamente em um estado de dissolução. Raskujan viu como autorização para assumir o comando geral da expedição. Nos meses seguintes, ele construiu seu acampamento e tentou de várias maneiras entrar na fortaleza de Vênus. Uma ocasião para informar seu superior Tomisenkow de seu pouso bem-sucedido, ele não viu.

Nota: Perry Rhodan tinha destruído as espaçonaves e as armas atômicas de Tomisenkow, porque não tolerava quaisquer encrenqueiros potenciais em Vênus. Por que ele não fez uma tentativa dentro de um ano inteiro para dizimar também o poder militar de Raskujan, permanece um mistério.

Por instigação de Rhodan, no Bloco Oriental encontrou lugar novamente uma reorientação na direção da comunidade mundial. Uma terceira frota de Vênus não foi enviada, como planejado, e o programa de Vênus foi suspenso.

A fragmentação

As tropas inclusas de Tomisenkow neste momento, provavelmente, um pouco menos de 5.000 homens, embora nem todos quisessem renunciar a qualidade de liderança do general. Uma parte da tropa se estabeleceu e começou a operar agricultura em uma pequena comunidade de aldeia. Estes rebeldes bastante pacíficas foram deixados em paz por Tomisenkow - ele ainda planejava tomar a fortaleza de Vênus.

Um grupo muito menor foi liderado pelo desertor tenente Wallerinski, que representava os ideais de pacifismo absoluto. A fim de espalhar sua ideia, ele também interveio pela violência. Desde que Tomisenkow aspirava ao poder da fortaleza de Vênus, Wallerinski queria eliminá-lo. Os pacifistas queimaram primeiramente a aldeia agrícola dos rebeldes, para movê-los a se juntar a ele. Depois disso, Wallerinski definiu a Tomisenkow uma emboscada.

Entretanto, a arcônida Thora de Zoltral e seu robô R-17 caíram nas mãos de Tomisenkow - Thora fugira da Terra com um destroier para entrar em contato através da positrônica de Vênus com Árcon II. R-17 foi atraído em uma emboscada por Tomisenkow e destruído. O general também soube que Rhodan estava em Vênus e enviou seu pessoal para caçar Rhodan, John Marshall e Son Okura. Simultaneamente, Tomisenkow marchou em direção da fortaleza de Vênus. A emboscada de Wallerinski fracassou, no entanto, encontrou lugar tiroteios entre as tropas de Tomisenkow e os pacifistas de Wallerinski.

Um fim abrupto encontrou essas brincadeiras quando o major Raskujan interveio. Era-lhe claro depois de onze meses da situação que o campo defensivo apenas pode ser aberto por Thora ou Rhodan. Graças a seus helicópteros, cuja superioridade aérea lhe rendeu uma enorme vantagem, ele pode prender Tomisenkow e Thora após vigorosa resistência. Também Perry Rhodan, que cruzou o oceano de Vênus em um barco de borracha, trouxe o helicóptero em perigo.

Finalmente Rhodan como primeiro chegou à fortaleza de Vênus e permitiu que a Good Hope V pousasse em Vênus. O acampamento de Raskujan foi tomado. O finalmente ainda fugitivo Raskujan foi estrangulado por seu adversário Tomisenkow. Uma vez que o novo governo do Bloco Oriental não apoiava mais seus antigos objetivos, Tomisenkow anunciou seus planos finalmente. Ele concordou em construir uma colônia terrana em Vênus. Assim, a colônia do Bloco Oriental originalmente planejada então foi estabelecida sob a bandeira da Terceira Potência.

Ao longo dos séculos, a percepção da história mudou no sentido de impingir que os militares Rhodan e Tomisenkow - seguindo a razão - concordaram nisso que Tomisenkow deveria construir a colônia. O aperto de mão que se tornou famoso adorna o rótulo holográfico da vodka “Tomisenkow”.


 

Créditos: 

Fontes


  • PR20, PR21, PR22, PR23, PR24.
  • PR-Extra nº 6.
  • Internet: Informações extraídas do site Perrypedia (www.perrypedia.proc.org). This article uses material from the Perrypedia article “Venus-Expedition”, which is released under the GNU Free Documentation License 1.2. Ciclo: A Terceira Potência.
Seção do Site: