Fantasy

Espaçonave experimental terrana que, externamente, parecia-se com um cruzador pesado da classe Terra. Ela foi construída no ano 2102 nos estaleiros recém-concluídos da Lua.

Dados Técnicos


Serviu de protótipo para testar o complexo mecanismo de propulsão linear. O conjunto de propulsão normal, cujas partículas eram de alta compressão e, com isso, de elevada força motriz, davam ao pesado cruzador uma aceleração de 500 km/seg². As máquinas desse gigante do espaço funcionavam com a mesma perfeição e segurança como nas demais grandes naves da Frota Solar. Utilizando modelos arcônidas, porém, muito mais aperfeiçoada em detalhes de vital importância, a Fantasy representava, naquele momento, o clímax da neotecnologia. Ninguém lhe podia apontar um senão. Devido à construção compacta da Fantasy, bastavam-lhe seis conversores no aro de rebordo. Muito maior espaço ocupavam, porém, os novíssimos motores de propulsão. A Fantasy não era propriamente uma belonave nem um supercouraçado, nem mesmo um cruzador pesado no sentido estrito da palavra. Uma parte dos armamentos teve que ser suprimida para dar lugar a outros mecanismos. A nave era realmente uma usina energética voando pelo espaço.

Tripulação


A tripulação consistia em 300 pessoas de elite, incluindo os principais especialistas e cientistas da Terra. O comandante era o epsalense major Jefe Claudrin.

História


Em 4 de março do ano 2102, Perry Rhodan partiu com a Fantasy para a sua viagem experimental, na chamada “Operação Estrela do Destino”. A Fantasy partiu para um voo de teste prolongado com a elite política, militar e técnico-científica do Império Solar para testar o novo sistema de propulsão. Quando ela perfurou um sol durante o voo linear, seu campo defensivo carregou-se energicamente com a matéria solar arrastada. Houve uma interação energética com o (idêntico) campo defensivo do Sistema Azul dos aconenses, e a Fantasy foi inexoravelmente atraída por ele. Após perfurar o campo, fortes vibrações estruturais foram localizadas e após uma escala na sua lua Ramsés (denominação terrana) a nave aterrissou no quinto planeta, Drorah (denominação terrana: Esfinge). Os terranos se encontraram ali com Auris de Las Toór. Após tentativa de espionagem com um rastreador de imagens, e um ataque dos aconenses com armas paralisantes, a Fantasy fugiu do Sistema Azul. Devido à fuga precipitada, a nave encalhou desorientada perto do centro da Via Láctea. Presumivelmente devido à sabotagem dos aconenses, a propulsão da Fantasy explodiu. Os 82 sobreviventes da tripulação de 300 homens puderam se salvar com o único space-jet ainda relativamente intacto em um planeta nas vizinhanças, coberto com um material orgânico. No entanto, esse organismo atacou os sobreviventes. O contrabandista Samuel Graybound resgatou os náufragos. A Fantasy, que teve de ser abandonada, flutuando no espaço e provavelmente foi destruída pelas explosões dentro dela. No entanto, o voo da Fantasy representou o início da 3ª época da Humanidade.


 

Créditos: 

Fontes


  • PR100, PR101, PR107.
  • Seção Glossário da edição digital da SSPG: volumes especificados no campo Glossários Veiculados.
  • Internet: Informações extraídas em parte do site Perrypedia (www.perrypedia.proc.org). This article uses material from the Perrypedia article “FANTASY”, which is released under the GNU Free Documentation License 1.2. Informações extraídas em parte do site Perry Rhodan und Atlan Materiequelle (www.pr-materiequelle.de). Informações extraídas em parte do site Crest-Datei (www.crest-datei.de).
Seção do Site: 
Glossarios Veiculados: