Armadan de Harpoon

Ser humanoide de origem desconhecida. Ele era um cavaleiro das profundezas e, portanto, um membro da Ordem dos Guardiões.

Descrição Física


Como todos os cavaleiros conhecidos, Armadan era relativamente imortal.

Espaçonaves


Como a maioria dos cavaleiros, Armadan também usava uma célula de luz, que ele chamava de Dyke. Ele também equipou alguns de seus orbitantes com células de luz. São conhecidas pelo nome a Nyle (destruída na Via Láctea) e a Legue (destruída por ele mesmo antes de sua morte).

Orbitantes


Como a maioria dos cavaleiros, Armadan de Harpoon raramente se mostrava a qualquer um de seus orbitantes face a face. Muitos o serviram durante anos ou décadas sem ver nas transmissões de rádio mais do que o símbolo da Ordem dos Cavaleiros.

Orbitantes conhecidos

  • Canjot (um buruhnense), Grenodart (um lazartiano) e Tuurndak.

Diante de Grenodart, Armadan de Harpoon mencionou que há muito tempo um laeandeiro esteve trabalhando para ele como um orbitante, entende-se que esse seja Tezohr.

  • Nota: Isso deve ser um erro de conteúdo do autor. Embora os laeandeiros tenham feito contato com os petronianos para lutar contra as Hordas de Garbesch, porém, Tezohr pessoalmente tinha uma forte aversão à instrumentalização de seu povo. Pelo menos os eventos do episódio PR940 são fortemente reinterpretados com essa afirmação.

Além disso, Armadan de Harpoon tinha ainda um androide como companheiro e confidente: Zeidik.

História


A Luta contra as Hordas de Garbesch

Há cerca de 1,2 milhão de anos, Armadan foi enviado para a concentração de poder da superinteligência Aquilo. Na Via Láctea, uma luta dura e amarga foi travada contra as Hordas de Garbesch, que foram enviadas pela superinteligência negativa Seth-Apophis para conquistar a esfera de poder de seu oponente. Um primeiro ataque, que ocorreu na galáxia Andrômeda, ainda pôde ser evitado sem a ajuda dos Altos Poderes. Os principais ajudantes de Armadan nessa batalha contra as Hordas de Garbesch foram os petronianos, também conhecidos como engenheiros galácticos. No entanto, esses mostraram uma consequência parcialmente aterrorizante quando se tratou de militarizar e mobilizar os povos da Via Láctea contra os garbeschianos. Da alta moralidade dos cavaleiros pouco se podia sentir. Como exemplo, deve ser mencionado o tratamento dos laeandeiros, que foram praticamente chantageados. Depois de longas lutas - especialmente contra seu arquiinimigo local, o líder da Horda dos laboris Amtranik - Armadan, finalmente, pode derrotar as Hordas e colocá-las em fuga. Mas, como temia que um dia as Hordas voltassem, ele construiu a Instalação no centro da Via Láctea com a ajuda dos petronianos. Se os garbeschianos atacassem a Galáxia novamente, o contra-ataque seria feito a partir dali.

Sua Última Missão

A última missão de Armadan levou-o para um setor chamado Skarnagh-Churmughor - se é uma galáxia ou parte de uma, é desconhecido. Ali estava ativo um poder, cujo nome poderia ser traduzido provavelmente pela palavra Umbigo. Essa entidade era um solitário, uma criatura única que buscava uma única ideia: poder absoluto. E essa ideia era contagiosa para os povos dessa região estelar, mas Armadan fracassou em longas investigações para descobrir como essa infecção ou infestação ocorria com as ramificações. O que piorou as coisas é que ele não podia provar essa infestação, exceto pelo efeito alcançado. Além disso, nessa fase, ele sentiu que de repente estava mais velho e a morte se aproximava. Sua imortalidade relativa parecia diminuir após milênios. E, assim, ele teve que lidar ao mesmo tempo com seu envelhecimento e com sua arma-ideia desconhecida. Enquanto observava um insignificante povo não viajante espacial em um remoto mundo desértico, o ovninauta Nargus entrou em contato com ele e se identificou como um mensageiro dos cosmocratas. Ele transmitiu-lhe a mensagem de que o número de membros da Ordem dos Guardiões estava tão dizimado que se podia presumir que ela havia deixado de existir. Armadan, com a exceção do falso cavaleiro Igsorian de Veylt, era de fato o último cavaleiro. Mas o androide apontou que Armadan poderia derrotar Umbigo como o último ato, com uma ideia mais forte. As últimas palavras que o cavaleiro ouviu de seu empregador foram:

  • (citação) “[...] Você levará a sua missão a cabo. Os cosmocratas lhe agradecem por seu empenho incansável, e eles lhe garantem que nada do que você fez terá sido em vão. [...]”.

Algumas semanas depois, o cavaleiro morreu. Mas na morte, ele reconheceu a ideia com a qual poderia derrotar Umbigo. Foi a ideia de idade e morte que mais tarde prevaleceu, e na qual a monocriatura Umbigo definiu como a ideia dominante - até que morreu. Armadan foi enterrado pelo seu androide Zeidik em um planeta sem nome. Ele amarrou o corpo do cavaleiro em um galho de uma árvore, para que o morto pudesse contemplar o sol nascendo todas as manhãs. Esse ato tinha um sentido simbólico profundo. Armadan deveria ver que as estrelas não tinham se extinguido. Ele também destruiu a Dyke. Depois disso, o androide se autodestruiu.


 

Créditos: 

Fontes


  • PR940, PR952, PR970, PR985.
  • Seção Glossário da edição digital da SSPG: volumes especificados no campo Glossários Veiculados.
  • Internet: Informações extraídas em parte do site Perrypedia (www.perrypedia.proc.org). This article uses material from the Perrypedia article “Armadan von Harpoon”, which is released under the GNU Free Documentation License 1.2.
Seção do Site: